Galo de Capoeira

 

 

                

                                           Variação sobre a  Tristeza (1957, óleo sobre tela),

                                                                      por René Magritte                                

 

 

 

 

GALO DE CAPOEIRA

 

 

 

Negaste-me

Traíste-me

                                      

                                       (Mas afinal

                                     É próprio

                                   Da vida

                                    Negar-se

                                    É próprio

                                      Do homem

                                    Trair-se)

 

 

Não foi a mim que negaste

Não foi a mim que traíste

                                                             

 

 

                                                                (Foste tu que saíste negado

                                                                   Foste tu que acabaste traído)

 

 

 

Tens vários eus

Todos temos

                                                

 

 

                                                 (A verticalidade

                                            A coerência

                                         São mitos

                                                               De espíritos desatentos)

 

 

Agora

Campeia o teu eu frágil

Orgulhoso

O teu eu

Galo de capoeira

Sultão de harém

Portador de dois olhos

Num mundo de cegos

Perante ti

Ajoelham

As galinhas cacarejantes

As concubinas pervertidas

E a multidão dos cegos de nascença

 

 

                                                 (Que jamais  recuperarão a vista

                                     Para que tu governes)

 

 

Uma coroa de latão

Brilha sobre a tua cabeça

Uma coroa ridícula

Presa com fios de escória

Incrivelmente emendados

Cheios de nós

 

 

                                                                          (Que o destino

                                                                        Fatalmente

                                                                                    Acabará rompendo)

 

 

 

 

 

E a coroa vai rolar

Amassada

Há-de cair na sarjeta

A que pertence

 

 

 

As galinhas

Correrão a abrigar-se à sombra de outro galo

As concubinas

Procurarão outro sultão para as suas fomes

Os cegos

Irão em busca de outras bengalas para se arrimarem

 

 

                                                                               

                                                                               (Ver-te-ás no deserto

                                                                Sequioso

                                                                            Ombros curvados

                                                                           Cabelos revoltos

                                                                                                As mãos caídas num desalento)

 

 

 

 

 

Mas eu estarei lá

E se olhares bem

Hás-de ver-me

Vendo-te

 

 

(Escrito pela primeira vez em 17/IV/1986 esquecido e inédito; reescrito em 9/XII/2007 e publicado porque sim.)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: