Afluentes de sonhos em tapetes de algas azuis

 
 
 
AFLUENTES DE SONHOS EM TAPETES DE ALGAS AZUIS
 
 
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
O mar entrava
pelas janelas entristecidas
feitas imprecisões de matéria
onde se escondem os sonhos 
 e se acoitam as mentiras
e nas ondas teimosas do ventre enlouquecido
ressoavam mitos e tragédias
cedo arrastadas por todos os abrigos
mas o mar nunca podia ser
o terno amigo de olhos aveludados
que espreitamos em transe nas horas derradeiras
quando o dia entristece
e as sombras desfilam
 
 
nada sabemos dessas águas
investindo cruelmente
pelas áleas ajardinadas
esculpidas em trabalho estéril
o mar nada conhece dos sentimentos humanos
 
o mar não é qualquer matéria
permeável aos sentidos e às dores do pensamento
 
foi por entre gotas da maré
que outrora pressenti o mito
aquele e os outros todos
liquefeitos numa ascensão
tornada meteoro 
 e decerto entorpecidos
em intransponíveis sendas       
de acasos traiçoeiros tecidos no silêncio
 
soube que era o mar
e soube que não era o tempo certo
para acometê-lo braviamente
as rochas escancaravam fauces de irrepremível sarcasmo
                                                                                                                                                                                                                   
e pelos ares revoluteavam presas inocentes
de uma tragédia
não adivinhada na madrugada
feita de róseas vibrações
 
nada quis dizer-me a esfinge
que os povos colocaram em cima da falésia
crentes de que qualquer esfinge guarda
uma predição para novos Édipos
                                                                                                                                                                                                                   que estão sempre a tempo de recuar
                                                                                                                                                                                                                                                                           porfiando o destino
 
a verdade
é que até a esfinge tropeçou na vaga
e só restou um farrapo evanescente
da cortina rasgada
da única janela
que não cedeu
                                                                                                                                                                                                   ao fragor do pranto de Neptuno

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: