Música, meus senhores!

 

 

 

 

 

 

                                  O Herói recebido no Olimpo – Jean-Baptiste Marie Pierre

 

 

 

 

 

 

MÚSICA, MEUS SENHORES!

 

 

 

 

 

 

O racional é real e o real é racional … estranha frase não é? Duas palavras, real e racional, repetidas e trocadas, acopladas pelo verbo ser e eis a sentença filosófica do grande mestre do idealismo dialéctico Georg W. F.  Hegel. Para a maioria, um jogo inútil de signos, uma metáfora ou, quem sabe?, um divertimento fútil de quem nada  de mais útil encontrou para fazer na vida. E no entanto, neste simples jogo de palavras – chamemos-lhe assim – aparece condensada toda a verdade filosófica possível.

O espírito é, antes de tudo, razão e, enquanto tal, carece de corporeidade, é abstracto e silencioso, inútil e pretensioso, incapaz de produzir ou gerar seja o que for. Deus, por exemplo, vejamos essa ideia de Deus, um Deus omnipotente e omnisciente, mas oculto, prisioneiro de Si Mesmo, enquanto potência ou potestade, ocioso e oculto por detrás de um dossel gigantesco e todavia existindo, enquanto infinita razão, infinita ciência, infinita verdade. Grandes conceitos estes, com que aprendemos a conceptualizar a divindade, e contudo absolutamente inúteis, visto que Deus, essa Razão poderosa e sublime, esse Espírito criador e fecundo, essa jucunda Fonte de vida está para além, muito para além, prisioneiro do seu próprio poder, submerso na sua idealidade, amarrado à sua abstracta dimensão anti-material. Mas eis que essa Razão poderosíssima, que nomeamos como sendo Deus ou Espírito Absoluto nada é, nada pode querer ser, enquanto não alijar de Si as condições da sua própria antítese e ousar assumir a contradição da sua própria essência. Um Deus antitético? Um Deus contraditório, a precisar de assumir seja o que for, alijando de si seja o que for? Pois é, se Deus é Tudo, se a Ideia é Absoluta, mesmo nela estão contidas, também, as antíteses, os opostos, a luz e a escuridão, o verdadeiro e o falso e por aí adiante… não é? E então Deus, esse primeiro motor perfeito e estático de que falou Aristóteles, absolutamente transcendente ao homem, como quis Kierkegaard, ou imanente de um modo conceptual, enquanto Soberano Bem, como pretendeu Kant, necessita de fazer jus à sua omnipotência, tornando-se o Outro de Si, ou seja, pondo-se a Si Mesmo no mundo, não apenas como homem, mas ainda como pedra, água, ar, fogo, vegetal, animal e tudo quanto existe. O infinito, a Ideia Absoluta tornou-se o finito, a matéria, sujeita à imponderabilidade e ao limite, pura antítese da potência luminosa da tese original ; e é então que o Racional se torna Real, assumindo formas primárias, nos inícios embrionários do mundo e progredindo, para dimensões cada vez mais perfeitas de uma mesma razão, repartida em milhares de finitudes materiais, numa escalada evolutiva e ascendente em que se torna, por fim, consciência. Consciência, e logo razão, que o acto consciente, desperto no ser humano, ascende ao longo dos tempos à capacidade do pensar autónomo, à lenta elaboração raciocinante, à invenção alucinante de um tempo e de um espaço vivos, onde a História rompe, se constrói e se vai agigantando numa escalada crescente, em convulsões e antíteses nunca desveladas ou apenas parcialmente compreendidas por alguns iluminados. E nela, nessa razão tornada corpo e espírito, dual e coesa, mas, apesar disso, dispersa, no jogo ininterrupto dos conflitos,  o Espírito Absoluto paira, fragmentado, disseminado em criaturas, ora formigas, ora espíritos inefáveis encarnados em corpos e tornados inteligência, o Espírito Absoluto  enrola-se na sua real e verdadeira dimensão antitética e aí permanece, enquanto perdurarem as convulsões da existência humana e o planeta contiver em si as contradições geradas por si próprio, no jogo alucinante da expansão de si. Até que, cumprida a história – e esse dia poderá chegar mais cedo do que julgamos, nós, o lado obscuro de Deus –  far-se-á a síntese, e o espírito, tornado de novo Razão, agora mais  Absoluta que no início, um início que nem tão pouco o é, enquanto tal, pois tudo voga em círculos ou talvez numa espiral fantástica em sucessivos e prodigiosos alargamentos, e a potestade outrora prisioneira do seu Poder, absoluto, mas abstracto, e por isso inútil, acederá a Si Mesma, finalmente una, finalmente rendida à síntese de Si e arredada de distúrbios dialécticos na suprema apoteose do Ser.

 

Felizmente para mim, que assim ouso (quase) poetar sobre o mote filosófico do mestre Hegel, nunca o santificaram e portanto não serei punida por heresia! E eu sei, dum saber que a memória me confere, ter acabado, agora mesmo, de dar à luz um milagre, pois, de improviso, demonstrei que não só o Racional é Real e o Real é Racional mas também que o Verdadeiro é o Todo e nele conspiram em cíclicas antinomias as convulsões dos contrários, geradores, afinal, da possibilidade da Harmonia. E isto, afinal, é música, meus senhores!

 

Uma resposta to “Música, meus senhores!”

  1. Alcyone Says:

    Regina, esse último período do seu texto é muito importante, pois dado o apodrecimento da História, hoje, mais que nunca é preciso unir as pessoas,olhar às questões transversais que interessam pessoas de quadrantes diversos, é imperativo dar lugar a uma «DIALÉCTICA DOS SECTORES DE INTERVENÇÃO»!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: