O Besta Célere

 

 

 

 

 

 

 

Salvador Dalí, Cama e duas  mesas de cabeceira atacando ferozmente um violoncelo

 

 

 

 

 

CAPÍTULO 95

 

 

Chegou a casa esbaforido, com os cabelos levantados e a pele arrepiada pois o golpe de vento que arremetera contra os papéis na esplanada transformara-se num prenúncio de tempestade, abriu a porta com custo, as mãos tremiam-lhe de forma desusada (ele cultivara uma espécie de contenção no exercício continuado da sua vocação de celeridade) e mal se viu sozinho no patamar da mansão desabou literalmente no soalho, ainda coberto com um velho e esgarçado tapete, outrora faustoso. A mala abrira-se e meia dúzia de relógios brilhantes rebolaram pelo pavimento enquanto o maço de cartas se dispersava, deixando as folhas em amálgama enrodilhadas à sua frente. Começou a arrepender-se de ter dado a morada à mulher, entendeu que nunca poderia montar verdadeiramente um escritório para desempenhar a função de escrevedor de cartas, que nem sabia como ou se poderia vir a legalizar semelhante actividade, a avó era um precedente de tempos idos e fazia-o para o seu povo na varanda da sua casa sem cobrar qualquer remuneração, mas ele Besta Célere aprendera que aliado ao conceito de profissão costuma vir também o salário, o ordenado, o vencimento ou o que quer que costuma chamar-se ao que nos pagam por um serviço prestado. Desamparado, como já não se sentia há muito, violado na sua solidão pois que há anos não acedia ao convívio com outros humanos, percebendo que era uma espécie de psicopata, encerrado na sua mansão poeirenta e um pouco lúgubre, um verdadeiro e genuíno louco daqueles que ao serem detectados pelas autoridades, por via de qualquer insanidade executada ou testemunhada, mesmo que seja inofensiva, costumam ser encerrados no manicómio, Besta Célere não podia estar mais apavorado, parecia-lhe, e não tinha memória de semelhante pânico na sua vida já razoavelmente comprida. Aos poucos porém sentiu que a noradrenalina e o sistema nervoso parassimpático cumpriam afinal a sua missão pois quando supunha eminente a explosão de todo o seu organismo percebeu o regresso de uma súbita calma e quase lhe apeteceu rir perante a emergência de um tal estado inusitado de perturbação psicológica. Apanhou o seu instrumento de trabalho, único até ao momento mas prestes a duplicar-se, embora o nosso herói não soubesse ainda muito bem como, mas sentindo em simultâneo que viria a percebê-lo logo que meditasse um pouco no assunto, mas não nesse momento já que a hora de meditar estava há muito ultrapassada no seu cronómetro interior. Para todos os efeitos muito tinha sido alterado naquele fim de tarde, pelo que o dia perdera em definitivo a celeridade habitual com que vinha urdindo as linhas do seu tempo.

Olhou à volta, viu de que modo aquele espaço necessitava de alguma arrumação e limpeza pois era a entrada da casa e por ali teria inevitavelmente de entrar a sua  primeira cliente, caso chegasse a comparecer à reunião, entendeu também que para não carecer de realizar mais modificações, necessário lhe era transportar para ali a secretária da bisavó e demais utensílios de escrita e abrir a pequena saleta de visitas que mantinha fechada desde sempre, a fim de dar ao acontecimento uma aparência de normalidade.

E foi assim que Besta Célere gastou o resto do seu dia num combate impiedoso a teias de aranha, caliça, detritos de todo o género, pó e muito bafio, enquanto a noite caía em definitivo e um temporal imenso varria as ruas da cidade.

Sem mesmo pensar em comer, preso de uma terrível sensação de cansaço e de algum desânimo ainda que, por outro lado, o percorresse um sentimento de satisfação com o resultado das diligências tomadas, pois o escritório improvisado rescendia a limpeza e respirava profissionalismo, Besta Célere decidiu dormir, naquele tempo ainda no quarto antiquado da bisavó, sem sequer reparar na lástima do espaço vazio deixado pela secretária antiga que penosamente arrastara até ao rés do chão.

Sonhou que estava a ser violentamente agredido por uma matilha de cães raivosos, literalmente agredido pois aqueles cães específicos do pesadelo, que por entre os neurónios exangues lhe ia escorrendo, erguiam-se nas patas traseiras como os homens e usavam as patas dianteiras como armas com que arremessavam os punhos, punhos de cão com garras e tudo, punhos peludos enrolados em si mesmos como puas de guerra e ao mesmo tempo gritavam e latiam, uma confusão extrema de gritos e latidos onde a substância ou essência canina digladiavam com o rosto e fúria de carácter maldosamente humano e Besta Célere apenas queria sentar-se a escrever as suas cartas mas a matilha ululante e impiedosa arrancava-lhe das mãos caneta e tinteiro amarfanhava as folhas que volteavam nos ares abrasados, e de repente Besta Célere acordou esgazeado e viu que caíra da alta cama da bisavó enredado no edredão escarlate e exalando um cheiro insuportável a suor e mau hálito. Decidiu lavar-se, percebeu que no auge do cansaço tinha ido parar à cama sem tão pouco despir a roupa ou pensar em retirar do corpo os vestígios do bolor, pó e teias de aranha com que tinha lutado como um verdadeiro guerreiro para aceder à fruição de uma espécie de escritório decente e então, penosamente, como se fosse um tonto ou um sonâmbulo ou ambas as coisas arrastou-se até às instalações sanitárias, abriu a torneira que lhe devolveu uma espécie de ronco agonizante, e deixou que pairasse sobre a sua cabeça esvaída um jacto morno de uma água, primeiro acastanhada e mais tarde cristalina. Nunca soube como regressou à cama naquela noite para sempre célebre mas soube que o despertador, ainda mecânico naquele tempo, o acordou à hora exacta e, com celeridade e precisão executou os gestos quotidianos e foi até um parque não muito longínquo  pois necessitava de preparar-se para iniciar a sua nova profissão.

Antes da hora marcada, muito antes, eram dezassete hora e trinta minutos quando regressou à mansão, e trinta minutos para este modelo de celeridade são imensos segundos e mais ainda microssegundos e mais ainda nem ele sabia o quê, Besta Célere estava sentado à secretária de mogno, com um fato novo que ficara arrumado no armário desde os tempos de prosperidade, de camisa imaculadamente branca e gravata cinzenta, e tinha arrumado sobre o tampo reluzente todos os instrumentos necessários à escrita da epístola.  

Por entre os rascunhos das cartas que, de certo modo arquivara, descobrira uma a que poderia chamar de petição, em que um funcionário se dirigia a um patrão, Ex.mo Senhor, Venho por este meio solicitar que as minhas declarações sejam analisadas cuidadosamente, assim como todos os documentos que insiro em anexo a fim de poder ser dada resposta ao meu requerimento. Chamo-me Fulano de Tal, nasci a Tantos de Tal, resido na Rua X, e sou funcionário dessa empresa desde o dia Tantos de Tal. A seguir narrava as circunstâncias de um acidente de trabalho em que o empregado cai de um andaime e fractura a coluna ficando paralisado da cintura para baixo, terminando …venho com todo o respeito solicitar de V. Ex.cia que me seja passado um certificado de invalidez, com o objectivo de obter das entidades competentes o respectivo subsídio.

No exacto momento em que acabara de reler o manuscrito e quando se preparava para treinar o ar de profissionalismo que tinha ensaiado antes ao espelho e desta vez, contrariamente à postura de vendedor de relógios, optara por uma aparência severa, de olhos baixos e cenho ligeiramente franzido, decidindo colocar no dedo anelar da mão direita um anel de oiro com uma pedra vermelha que encontrara entre as jóias da bisavó e que supunha ter pertencido ao bisavô, nesse preciso instante, quando ainda nem tinha reflectido no que iria acontecer à sua vida daí para a frente, ouviu o toque roufenho da sineta da porta e sobressaltou-se. Esperou uns instantes, ajustou o nó da gravata, alisou o cabelo crespo e, contendo o tremor incipiente de todo o seu corpo, dirigiu-se para a porta.

 

 

                                                                                                                                                                   (continua)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: