Vitória narcísica

                        

 

 

                       

 

 

                       

   CARAVAGGIO, NARCISO

 

 

 

 

                       VITÓRIA NARCÍSICA

 

 

 

                        Se eu fosse o vento

                        que arrebata as nuvens

                        e trucida as árvores

                        e revolve o pó

                        passava sobre ti,

                        devagarinho

                        feita brisa subtil de entardecer…

 

                        Se eu fosse a chuva,

                        a torrente,

                         o temporal,

                        se eu fosse a tempestade e a inundação

                        p’ra ti seria orvalho,

                        ou gota delicada que desliza

                        pela pétala da flor que mal a sente…

 

                        Se eu fosse o sol vermelho dos verões

                        o sol terrível da secura

                        o sol da fome,

                        se eu fosse o astro que ilumina e queima

                        brilharia p´ra ti tão docemente

                        como um afago meigo de criança…    

 

                        Se eu fosse a vida… e a dor… e a loucura…

                        Se eu fosse todo o mundo…

                        A ruína… o caos … e o amor…

                        se eu fosse rainha e tudo meus vassalos

                        se eu fosse tu…

 

                        Oh imensa vastidão do meu desejo!

                        Oh loucura sem limite do meu ser!

                        Oh fruto proibido!

                        Oh solidão!

 

                        Se eu fosse Deus

                        criava-te,

                        fazia-te só meu.

                        numa concha te punha:

                        uma concha branca

                        com  ruídos de mar…

 

                        Se eu fosse espuma,

                        queria-te gaivota

                        para abraçar-te no ar

                        entre o instante em que a onda flui

                        e reflui…

 

                        Se eu fosse céu azul,

                        tu eras nuvem branca

                        ou águia…

 

                        Oh lágrima que queres brotar

                        Oh desespero manso do meu peito!…

 

                        Olho a moldura do espelho,

                        O artifício… e só depois a imagem…

 

                        Olho e vejo

                        que os ventos

                        os sóis

                        os deuses e os azuis

                        a espuma e o infinito

                        estão dentro dessa imagem que sou eu!

 

Uma resposta to “Vitória narcísica”

  1. Alcyone Says:

     

    Fernando Pessoa – AMAMOS sempre no que temos

             

    AMAMOS sempre no que temos O que não temos quando amamos. O barco pára, largo os remos E, um a outro, as mãos nos damos. A quem dou as mãos? À Outra.
    Teus beijos são de mel de boca, São os que sempre pensei dar,  E agora e minha boca toca A boca que eu sonhei beijar. De quem é a boca? Da Outra.  Os remos já caíram na água, O barco faz o que a água quer. Meus braços vingam minha mágoa No abraço que enfim podem ter. Quem abraço? A Outra.
    Bem sei, és bela, és quem desejei… Não deixe a vida que eu deseje Mais que o que pode ser teu beijo E poder ser eu que te beije. Beijo, e em quem penso? Na Outra.
    Os remos vão perdidos já, O barco vai não sei para onde. Que fresco o teu sorriso está, Ah, meu amor, e o que ele esconde! Que é do sorriso Da Outra?  Ah, talvez, mortos ambos nós, Num outro rio sem lugar Em outro barco outra vez sós Possamos nos recomeçar Que talvez sejas A Outra.
    Mas não, nem onde essa paisagem É sob eterna luz eterna Te acharei mais que alguém na viagem Que amei com ansiedade terna Por ser parecida  Com a Outra.
    Ah, por ora, idos remo e rumo,  Dá-me as mãos, a boca, o ter ser. Façamos desta hora um resumo Do que não poderemos ter. Nesta hora, a  única, Sê a Outra. 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: