Hälfte des Lebens (Metade da Vida)

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Hälfte des Lebens

 

 

 

Mit gelben Birnen hänget
und voll mit wilden Rosen
das Land in den See,
ihr holden Schwäne,
und trunken von Küssen
tunkt ihr das Haupt
ins heilignüchterne Wasser.

Weh mir, wo nehm’ ich, wenn
es Winter ist, die Blumen, und wo
den Sonnenschein,
und Schatten der Erde?
Die Mauern stehn
sprachlos und kalt, im Winde
klirren die Fahnen.

 

 Friedrich Hölderlin, Gedichte, Reihe Reclam, Phillipp

 

 

 

(Metade da Vida

 

Com peras douradas pende

E cheia de rosas bravas

A terra por sobre o lago,

Ó amados cisnes,

E ébrios de beijos

Mergulhais a cabeça

Na água santa e casta.

 

Ai de mim, onde irei buscar,quando

For inverno, as flores, e onde

O brilho do sol

E sombras da terra?

Erguem-se os muros

Mudos e frios, ao vento

Rangem os cataventos.)

 

Friedrich Hölderlin, Poemas, Atlântida Coimbra, 1959

Tradução de Paulo Quintela

 

 

 

Este é um dos poemas mais famosos de toda a lírica alemã. A primeira estrofe apresenta um quadro harmónico entre as forças da vida elementar. A partir da segunda estrofe, porém, há uma ruptura total com a harmonia da primeira estrofe. Aqui encontramos a dissonância da vida em toda a sua dimensão. O próprio ritmo testemunha isso. Poderemos então dizer que neste pequeno poema existe uma tese e uma antítese, sem síntese? Penso que não. No meu modo de ver, o próprio poema será, na sua totalidade, essa tal síntese que aqui parece faltar, ou diga-se, antes, a trindade quântica… mas talvez seja necessário conseguir senti-lo em alemão!

 

 

 

                               Lauffen am Neckar im Winter

 

                          Friedrich Hölderlin

Nasce a 20 de Março de 1770 em Lauffen, junto ao rio Neckar e falece a 7 de Junho de 1843 em Tübingen. Durante todo o século XIX ficou praticamente esquecido. Friedrich Nietzsche, porém, tem por ele uma grande admiração . Chama-o o seu “ liebling Dichter.” É já em pleno século XX que a sua poesia é redescoberta e valorizada. Hoje, Hölderlin é considerado um dos maiores poetas líricos da poesia alemã e universal. A sua obra tem, na literatura alemã do fim do século XVIII princípios do XIX, uma posição autónoma ao lado do Romantismo e do Classicismo de Weimar ( Goethe, Schiller ), então em voga.

Em 1807, Hölderlin enlouquece para sempre. Nos próximos 36 anos, até à data da sua morte, a 7 de Junho de 1843 , Hölderlin vai ficar entregue aos cuidados de um dos seus grandes admiradores (e sua esposa), o carpinteiro Ernst Zimmers.

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: